sexta-feira, 31 de março de 2006

Frase anarquista do dia*

«Os nosso sonhos não cabem nas urnas»

* Lida numa parede a caminho da rádio

Sejam responsáveis, bebam com moderação

Fico parva como esta gente sabe do que eu gosto.

Manifesto anti - James Blunt

O James Blunt canta músicas horrorosas
O James Blunt tem cara de parvo e uma voz tão má, tão má, que faz lembrar o barulho de um garfo a arrastar no prato,
O James Blunt canta uma música que diz "She smiled at me on the subway/She was with another man/But I won't lose no sleep on that/'Cause I've got a plan" mas depois não tem plano coisa nenhuma e ainda acrescenta "Yeah, she caught my eye/As we walked on by/She could see from my face that I was fucking high"
O James Blunt canta esta música e montes de gente gosta e não consigo perceber porquê
O James Blunt devia ser proibido de cantar
Quando tudo indicava que ele não vinha cá e todos suspirámos de alívio, eis que é anunciado um concerto da criatura em terras lusas
O James Blunt é uma espécie de bluff
O James Blunt tem uma cara e uma voz que só me apetece dar estalos
O James Blunt esteve no Iraque e por isso decidiu vingar-se do mundo, cantando

Emanuel

Ontem recebi um convite, pela mão do próprio, para um concerto do Emanuel no Coliseu. HOW LUCKY AM I??
Bom, mas pelo menos o senhor é simpático, que é, e é do Sporting, o que já não é nada mau.

quinta-feira, 30 de março de 2006

Casino Lisboa

Ontem fui à conferência de imprensa de apresentação do Casino de Lisboa. Aquelas criaturas conseguiram transformar o piso -2 do parque de estacionamento numa sala chiquérrima cheia de écrans plasma, flores e sei lá que mais.
Quem tivesse chegado de repente, sem saber que era sobre o Casino de Lisboa, ficaria a pensar que se tratava da construção de um hospital ou de um centro de investigação para a luta contra o cancro, ou uma coisa assim de verdadeira importância para a humanidade, tal era o discurso do presidente da Estoril Sol. Um discurso pautado por «sonhos tornados realidade», «esforço», «trabalho», «o sonho faz o mundo avançar» e coisas que tais, ideias interessantes quando na realidade se trata de um antro de perdição para muitos viciados em jogo, uma máquina de fazer dinheiro, e por aí fora.
Acho muito bem que Lisboa tenha um casino e não sou apologista da teoria do «é melhor não porque os portugueses já estão muito endividados» - somos todos crescidinhos, temos dois palminhos de testa e ninguém é obrigado a lá ir - mas não mascarem a coisa como se fosse uma de grande benefício para o povo português.
E depois, como se não bastasse, o senhor abordou a questão do trabalho feminino vs masculino e fez questão de mencionar que havia tantas mulheres contratadas para trabalhar no casino, como homens. O que o senhor não percebeu é que o facto de pensar nisso e sentir necessidade de falar sobre o assunto, é, já por si, preconceito.

quarta-feira, 29 de março de 2006

Uma salva de palmas para a melhor série do mundo---->FRIENDS

So, no one told you life was gonna be this way.
Your Job's a joke, you're broke, your love life's D.O.A.
It's like you're always stuck in second gear.
And it hasn't been your day, your week, your month, or even your year.
But -

I'll be there for you ... when the rain starts to fall.
I'll be there for you ... like I've been there before.
I'll be there for you ... cause you're there for me, too.

You're still in bed at ten and work began at eight.
You've burned your breakfast, so far everything is great.
Your mother warned you there'd be days like these.
But she didn't tell you when the world has brought you down to your knees.
That -

I'll be there for you ... when the rain starts to fall.
I'll be there for you ... like I've been there before.
I'll be there for you ... cause you're there for me, too.

Saudades dos sonhos

Acontece-me uma coisa, não raramente, que eu tenho a impressão, desconfio mesmo, que não acontece a mais ninguém: dou por mim com saudades dos sonhos.
Sonhos sonhados, daqueles que surgem no subconsciente enquanto se dorme, sonhos marados, estranhos, bons, maus, quentes, nem por isso, a cores ou a preto e branco.
Quando dou por mim estou a lembrar-me de algum - provavelmente o que sonhei nessa noite - e a sentir assim uma espécie de saudade de nem sei bem o quê. Na maioria das vezes nem me lembro exactamente do sonho, apenas de alguns pormenores.
Nem sei se se pode falar em saudade, mas penso que sim, até porque sou portuguesa e portuguesa que se preza tem saudades de tudo e de mais alguma coisa, mesmo de sonhos.

terça-feira, 28 de março de 2006

Retrato de Leididi*

*amorosamente feito no Paint, esse belo programa,por um colega muito querido (o mais querido de todos [fui paga para dizer isto e ameaçada de morte]).

Alpinistas e afins

Hoje acordei mal disposta. Tenho os olhos vermelhos e não percebo porquê, está sol e não me apetecia vir trabalhar, venho trabalhar e não recebo ordenado, tenho sono e hoje está mais frio do que ontem (às 7h40, que é quando saio de casa).
Assim, como me encontro com este humor de cão (apesar de não entender esta maneira de dizer a coisa porque os cães até são criaturas bem dispostas) vou desancar uma coisa que me irrita como se não houvesse amanhã: os alpinistas.
Para que é que servem? Que bem trazem ao mundo?
Gastam rios de dinheiro em material e expedições para quê? Para chegar lá a cima e sentirem-se os maiores. Que benefícios trazem ao mundo? É que o futebol, por exemplo, apesar de ser um absurdo o dinheiro que envolve, ainda dá algum prazer às pessoas: é um desporto que pode ser assistido e seguido com fervor. Agora alpinismo...quem é que vai seguir com atenção um gato pingado a trepar uma montanha?
E para quê, meus amigos?Para quê? Porque aparecem na televisão, se praticam um desporto egoísta que não aquece nem arrefece ninguém a não eles próprios?Hum?
É que se querem subir montanhas, tudo bem, agora não vão para a televisão queixarem-se que não têm apoios e mais não sei o quê,ok?
Há poucas coisas que me irritem tanto como o alpinismo.

segunda-feira, 27 de março de 2006

Gripe das aves, neste caso diz que é dos patos

Parece que vem aí a gripe com os patos migratórios, e mais não sei o quê. Não se apoquentem, quando finalmente cá chegar vai ser só um espirro. É como as tempestades e furacões: quando cá chegam já não passam de depressões.

Eu, o Budha e o cantor português

Tenho uma coisa a confessar. Prometi que não partilharia com vocês esta ocasião menos feliz da minha vida, mas não resisto.
Sexta-feira fui ao Budha para a aprsentação do álbum de um cantor português cujo primeiro nome começa por P, acaba em O e no meio tem as letras EDR e cujo segundo nome começa por M, acaba em S e no meio tem as letras IGUÉI.
É um rapaz que há muito, muito tempo, foi ao Chuva de Estrelas cantar a música do Ghost, lembram-se? Não? Paciência. Calma, não comecem a ver tudo a andar à roda, não fui porque sim: fui porque o trabalho assim obrigou.
Pois que o miúdo até nem canta mal, pois que até tem músicos que não são maus de todo - apesar de terem aquele mau aspecto que parece que é obrigatório nos músicos portugueses dos 30 anos para cima - pois que até tem duas meninas a fazer coro que cantam muito bem e uma delas até saxofone toca, pois que o arranjo musical até que é bonzito. E o miúdo é giro, que até é, com uma cara agradável de olhar, com uns olhos assim caiditos e um sorriso engraçado. É quando ele abre a boca para cantar que a mediocridade vem ao de cima e a culpa não é dele, é das pessoas que lhe escrevem as letras. São de um vazio terrível, uma amálgama de palavras que só estão juntas porque rimam e por mais que uma pessoa se esforce não consegue encontrar significado nenhum. Letras com lugares comuns e nenhum sentimento.
Ele ainda agradeceu ao letrista um tal de...não vou dizer, com muitas palavras de reconhecimento e muitas palmas do público, que na minha opinião, se devia ter juntado para o açoitar em praça pública por obrigar quem quer que seja a estar na mesma sala que aquele conjunto de palavras mal amanhadas.
Sim, a Maya estava lá e até pediu um bis. Não, não vou tecer qualquer comentário acerca dessa pessoa: fica para uma próxima oportunidade, prometo.

domingo, 26 de março de 2006

O que rendeu o workshop

É só para avisar que aprendi a fazer coisas lindas, ó se aprendi!!Ninguém me pára. No fim-de-semana fiz quatro anéis, dois pares de brincos e uma pulseira para o pé.
Não, não posso mostrar o trabalho artístico porque não tenho máquina digital, temos pena, são obrigados a acreditar em mim, que não sou tendenciosa, porque isso iria contra o código deontológico pelo qual me rejo.

sexta-feira, 24 de março de 2006

O Espelho Mágico

Não, não vos falar da Alice do outro lado do espelho, nem da Rainha Má da Branca de Neve: refiro-me ao filme de Manoel de Oliveira que ontem à tarde fui ver.
Depois de quase três horas de suplício (desculpe senhor Manoel) ficou a frase: «O que é que vamos fazer com a eternidade?» «Tudo, menos o trivial».
Não fosse o neto do homem ser giro todos os dias, tinha desistido. E se ouço «Virgem Maria» ou «Nossa Senhora» mais alguma vez, desato a dar cabeçadas na parede e fico prostrada em estado catatónico.

Lá vou eu aprender a fazer coisas giras

Já toda a gente sabe que sou uma pessoa jeitosa, uma pessoa que sabe fazer coisas para usar, tipo brincos, colares, pulseiras e pregadeiras. Mas o que nem toda a gente sabe é que eu estou prestes a tornar-me uma pessoa ainda mais jeitosa: hoje vou assistir a um workshop maravilhoso para aprender a fazer umas flores lindas de sonho de contas e arame.
Portanto, meus amigos, se tudo falhar, vou tornar-me artesã, que é giro, a modos que chique e muito zen.

quinta-feira, 23 de março de 2006

Vitória do Vitória de Setúbal

O meu coração está agora com o Vitória de Setúbal.Vamos embora sadinos.
Não, não sou vira-casacas, Setúbal é o meu distrito, o que é que querem?
Mas o Sporting é o Sporting e o leão voltará a mostrar a sua raça.

Porto-Sporting:só me apetece dizer asneiras

É que nem vou falar do facto do árbitro nos ter lixado a vida, de nos ter roubado um penalty e de ter expulso o Caneira quando a confusão foi gerada pelo Meireles do Porto que queria bater no Deivid, nem vou mencionar o facto que o Ricardo não sabe nem consegue defender penaltys: vai sempre para o lado oposto da bola e a única vez que acertou não conseguiu evitar o golo. É que nem vou falar disso, que é para não me chatear. Mas uma coisa digo: uma equipa que tem um jogador como o Adriano, que é, provavelmente, o homem mais feio do mundo, e uma claque que leva para um jogo com o Sporting cachecóis a dizer «filhos da puta SLB» e «antes morto que vermelho», não merece ganhar.

O Canadá e as expulsões

Eu percebo a dor dos portugueses que foram à procura de uma vida melhor para o Canadá e que agora têm de deixar isso tudo para trás. Percebo porque eles são portugueses e os povos têm de manter-se solidários uns com os outros.
Mas, por outro lado, também percebo o governo Canadiano. Há famílias que estão lá há anos e anos: do que é que estiveram à espera para se legalizar? Shit happens, já dizia o Forrest Gump.
Acho mesmo que o Governo português devia fazer o mesmo e mandar embora toda a gente que não estivesse legalizada, para ver se isto deixa de ser a rebaldaria que é.

quarta-feira, 22 de março de 2006

Manifesto pró-Primavera

A Primavera é bonita e a malta gosta.
A Primavera traz sol e céu azul e o pessoal nem se importa com o pólen assassino, desde que possa andar de roupas mai leves,
A Primavera começou há dois dias mas parece que está atrasada: terá perdido o avião?
A Primavera vai receber menos este ano por falta de comparência nos primeiros dias de trabalho,
A Primavera é altura de acasalamento, de passarinhos a cantar e de flores a nascer,
A Primavera é assim, tipo, renovação da vida mas a malta ainda não viu nada porque não pára de chover e a porcaria do frio não nos deixa nem por nada.
Primavera, era coisa para te despachares antes que Portugal apanhe uma depressão colectiva e toda a gente sabe que os medicamentos são caríssimos.

Recordações de infância: invejazinha

No outro dia dei por mim a lembrar-me duma rapariga que andava comigo na ginástica, era eu uma miúda de 12 anos.
Ora eu era assim para o gordinho e sem grande jeito para os exercícios físicos: nunca aprendi a fazer roda ou pino, por mais que os professores se esforçassem.
A tal rapariga, uns quatro anos mais velha que eu e que nem sabia que eu existia, era o ás do trampolim. Ela saltava, rodava, fazia flicks à frente e atrás, saltos de todas as maneiras, mortais e eu sei lá que mais. Além disso era gira, com um corpo muito jeitoso e bem feito e com uns cabelos compridos ondulados muito bonitos. Eu era o oposto disso tudo, está-se mesmo a ver, pelo que nutria por essa menina uma certa admiração misturada com inveja. Mas inveja do tipo "quem me dera ser assim", não daquela "espero que te caia o cabelo, que fiques gorda e te magoes a sério num dos teus saltos acrobáticos". Era uma invejazinha natural.
Passado uns anos, uns quatro, talvez, voltei a encontrar a rapariga num autocarro. Eu já era magra e já tinha o meu cabelo comprido e encaracolado, mas continuava sem saber fazer a roda ou pino, ela trazia uma criança ao colo, apesar de só ter uns 20, 21 anos, os cabelos tinham perdido a graça e estavam demasiado compridos e sem vida, as roupas desleixadas e o olhar muito triste.
A minha invejazinha, se ainda existisse, tinha desaparecido naquele instante perante aquele cenário algo miserável.
Esta história não tem assim uma grande moral, até porque não me chamo La Fontaine, mas de qualquer forma, é interessante ver as voltas que a vida dá.

terça-feira, 21 de março de 2006

Dias de tudo e mais alguma coisa

Não é por nada, mas o ano tem 365 dias, porque é que HOJE tem de ser o Dia da Árvore, o Dia da Poesia e o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial?

Dia da Árvem

Um grande beijinho a todas as árvores do país. Bem hajam, pequenas fábricas de oxigénio.

segunda-feira, 20 de março de 2006

Primavera, sê bem-vinda (e vê lá mas é se começas a trabalhar)

Diz que hoje começa a Primavera, diz que sim. Não se nota nada, está a ouvir, menina??Sonsa.
Faça-se mas é uma mulherzinha e expulse o Inverno duma vez por todas, ou está com medo?Hum?

domingo, 19 de março de 2006

«O enigma das percentagens e dos pontos»

Pensei que fosse só eu que pensava assim, mas descobri que há pelo menos mais uma pessoa no mundo que já cogitou sobre esta questão. E como é uma pessoa de renome, uma pessoa de talento reconhecido internacionalmente, perdi a vergonha de assumir esta minha incompreensão. Luís Sepúlveda, o escritor sul-americano, autor de livros como "Diário de um Killer sentimental" ou a "A história da gaivota e do gato que a ensinou a voar", também não entende este mundo complexo que é o das percentagens e pontos.
Como ele escreve bem melhor que eu, passo a citar algumas das que são, também, as minhas preocupações:«Um jornal garantia que da percentagem total de leitores 57,3 % eram mulheres. Que tipo de mulheres integram o vírgula 3%? São as mais baixinhas, as que lêm apenas terça parte de um livro?
O Chile, a economia mais sólida da América do sul, cresce a um ritmo de dois pontos anuais, mas 80% dos seus habitantes continua a viver abaixo da linha de pobreza. Quantos pontos é preciso juntar para que ninguém sofra de fome, de frio, marginalização? A quem se devem apresentar os pontos para receber o prémio?»
Ufa, é bom saber que não estamos sozinhos.

sábado, 18 de março de 2006

Teken 4

É oficial: estou viciada no Teken 4. Hoje passei a tarde toda a jogar...ainda bem que sou uma pessoa que até tem vida social e que até tem coisas combinadas para a noite, senão imaginam como seria decadente uma pessoa da minha idade (e sexo) ficar em casa um sábado à noite a jogar.
Enfim, nem tudo está perdido. É que até já sei uma data de truques marados e tudo. Oba.

Memórias de uma viagem a Madrid

Sim, sou eu, apalpando um rabiosque duro que nem ferro de um senhor que de tanto olhar para umas ruínas, petrificou.

sexta-feira, 17 de março de 2006

Ó felicidade, ó alegria --> Star wars on their way

Diário Digital: «Está a ser preparada a versão televisiva inspirada nos filmes da Guerra das Estrelas. As filmagens dos mais de 100 episódios devem começar em 2008.
A série televisiva vai situar-se entre os episódios III e IV da versão vista no cinema. Os primeiros 20 anos da vida de Luke Skywalker são um mistério que vai ser desvendado ao longo dos vários capítulos na televisão».
May the force be with you, Mary, que me deste esta notícia tão boa.
Não é simplesmente maravilhoso???

Homenagem ao corvo

Com vocês, o Corvo.
Ora o Corvo é um pássaro que pode ir para qualquer lado. É um animalzinho preto, sempre compostinho, de penugem brilhante, assim como se tivesse fios de prata tecidos com as penas, que lhe dá certo ar glamouroso.
É um pássaro que sabe bem escolher os seus objectos: brilhantes e de preferência preciosos. O corvo não brinca em serviço, meus amigos.
É certo que o corvo é um bicho que estraga a vidinha aos agricultores, mas não está sozinho nessa missão: tem consigo bandos de pardais à solta e vários pássaros do sul, pelo que não pode ser verdadeiramente acusado de bicar nos campos alheios.
E depois tem sempre aquele ar misterioso, mesmo que não esteja a pensar em nada, aquele ar de quem sabe mais do que deixa entender, misturado com uma certa agressividade que também não lhe fica nada mal.
Gosto quando eles pousam nos fios eléctricos e ficam ali, parados, a observar o mundo com um certo ar de desdém.
Vivam os corvos e tenho dito.

Manifesto anti-U2*

Os U2 já não são o que eram.
Os U2 já não fazem músicas de jeito desde o Achtung Baby,
Os U2 são convencidos e um bocado pirosos,
Os U2 já se reformavam ou então dedicavam-se inteiramente à caridade já que são podres de ricos,
Os U2 cobram horrores de entrada pelos seus concertos
Os U2 só têm feito músiquinhas da tanga, principalmente as do último álbúm,
O Bono tem a mania que é bueno mas na realidade não passa de uma fusão entre o Robin Williams e o gajo que fala aos berros e com variações de tom da Academia de Polícia,
The Edge tem cara de quem não tem qualquer tipo de actividade cerebral e insiste em usar calças justas como se ainda tivesse idade para isso.
Os U2 aborrecem-me de morte e cada vez que dá alguma música das novas na rádio, mudo de estação.

* Retaliação agressiva dirigida a certas e determinadas pessoas que insistem em dizer mal do Jack (toma, toma)

quinta-feira, 16 de março de 2006

Dia T3

E o que é o dia T3, perguntam vocês. É o dia em que vou fazer a minha terceira tatuagem.
Terceira tatuagem??(perguntam vocês, outra vez) Sim, terceira tatuagem, tatuagem número 3.
E o que é que vais fazer, Leididi, interrogam-se vocês, que plos vistos têm 5 anos e não param de fazer perguntas. Uma libelinha, meus amigos, uma libelinha.
Uma libelinha??(exclamam vocês em tom de pergunta, muito admirados)Sim, uma libelinha. Mas porquê, perguntam vocês, para não variar. Porque gosto muito de libelinhas, libélulas para os mais crescidos.
E onde vais fazer a tatuagem, Leididi?(a vossa curiosidade está a tornar-se exasperante)Não têm nada a ver com isso.
Oh, diz lá! Ok, já que insistem: em Almada.

Assembleia da República (das bananas)

Sabiam que sempre que se inicia uma Legislatura, as primeiras semanas (tipo, quase um mês) são dedicadas a aprumar salas e corredores, para receber os mui nobres deputados da nação, sendo que se trata de um período em que os senhores andam quase à pancada por alguns metros quadrados de gabinete?
Não é interessantíssimo?

terça-feira, 14 de março de 2006

Bocejo

É oficial: hoje bati o meu recorde de bocejos. Cama minha, onde andas?

Jack, querido, és giro, giro

Balanço do concerto de ontem: quero casar com o Jack e viver com ele numa praia maravilhosa, rodeada de palmeiras, surf, a música dele, flores, fogueiras e constelações inventadas.
Agora a sério: uma cena preocupante foi a quantidade de crianças, adolescentes e pré-adolescentes que havia naquele Pavilhão Atlântico. Até comentei com uma das babes que se calhar era capaz de ser preocupante o facto de gostarmos da mesma música que aquele bando de miúdos com acne e de hormonas aos pulos. Mas ela respondeu que era só um bocadinho, ufa.
O senhor das luzes era muito bom, um verdadeiro artista. O cenário também estava muito giro, com fotografias da praia, palmeiras e árvores que tais.
O concerto em si foi bom, se bem que ele não tocou a minha música preferida do último albúm, mas tudo bem. Descalço e com aquela aura (sim, aura) calma e muito cool que o caracteriza, de poucas palavras mas simpático, cantou e encantou. Depois houve uma parte com muitos telemóveis acesos (os isqueiros do século XXI)e ficou muito giro.
Coisas más: os gajos que tive de ouvir antes do Jack- Allo e Matt Costa- uma seca desgraçada.

segunda-feira, 13 de março de 2006

Adivinhem quem vai ver?

Ah pois é!Sou eu também, e mais duas babes. Vou ouvir o mais querido, das músicas tão bonitinhas cheias de mar, sol, estrelas e fogueiras e todas as coisas boas que isso significa.

Adivinhem quem foi ver?

Pois que fui eu que fui ver. Ontem à noite assisti à obra prima de Chico Buarque, um pequeno génio da música e da poesia. Fui muito, muito bom e pude ver a Lucinha Lins, a Mocinha do Roque Santeiro, a fazer de dona de casa de putas e a cantar que se fartou. Quem a viu e quem a vê. E para todos os participantes desta maravilha de espectáculo, muitos clap, clap, clap, que é como quem diz, palmas.

domingo, 12 de março de 2006

Ele há gente com muita sorte

Então não é que o Milosevic se me morreu? Quer dizer, é finalmente preso depois de encabeçar um genocídio e quando as coisas vão começar a ser decentemente investigadas, para depois ser castigado, matam-se-mo. Não há direito, pá, é que não há direito!

sábado, 11 de março de 2006

Here it is...your moment of zen

Take my breath awaaaaayyyyy, tururu, tururu...
O que é melhor do que um filme com o Tom Cruise e com o Val Kilmer? Um filme com o Tom Cruise, o Val Kilmer e o Brad Pitt.
Digam o que disserem este filme não é gay.

sexta-feira, 10 de março de 2006

Velha anedota*

Passando pelo Chiado
Uma senhora horrorosa
Um estudante delicado
Disse-lhe: «É uma rosa»

Fresca, pura inebriante
Mui viçosa e perfumada:
Vossa Excelência é estonteante!»
Ela toda espevitada

Respondeu ao g'lanteador:
- «O mesmo não lhe dizer
Penaliza-me senhor;
Mas não posso. Que fazer?»

O nosso herói, o esudante,
Que pra respostas se pinta
Retorquiu no mesmo instante:
- «Oh! Minha senhora minta

Como a Vossa Excelência eu fiz
'Inda não há bocadinho!...»
Ela ouvir-lhe mais não quis
E seguiu o seu caminho!...

* Mário de Sá-Carneiro

quinta-feira, 9 de março de 2006

Piadinha do dia

Contada por um elemento cá da rádio: «Se o Mário mata, a Florbela espanca, o Jaime gama e o Jorge palma, o que é que a Rosa Lobato faria?»

Mas quem é que estes gajos julgam que são?

Diário Digital: "O Departamento de Estado norte- americano alertou para a falta de condições nas prisões portuguesas, referindo que cerca de 30% dos detidos têm hepatite B ou C e quase um em cada seis está infectado com HIV."
Errrr...what about Guantanamo? Talk about bad conditions...sonsos prepotentes.

Hoje é um dia muito triste para o país

Tenham medo, tenham muito medo. E preparem-se, porque dá-me ideia que este senhor não é muito amigo da liberdade e da democracia.

Rectificação

Em relação ao que eu disse ontem sobre os meus amigos não me fazerem surpresas, tenho que fazer uma pequena rectificação. Parece que o meu truque resultou (Muahahahaha) e o dia de anos conseguiu ser melhor do que o costume graças aos esforços de quem me é querido.

Surpresa número 1: Um amigo querido e amoroso telefonou-me de Espanha, onde trabalha, para o telefone do meu local de trabalho, a rádio, para me dar os parabéns. Diz que me dedicou-me uma música numa rádio que eu não sei qual é, mas o que conta é a intenção;
Surpresa número 2: Uma amiga fofinha e texuga (mentirinha que ela é gira que se farta) saiu mais cedo do trabalho para passar a tarde comigo e quando cheguei ao pé dela tinha um ramo de flores lindas à minha espera;
Surpresa número 3: Uma mensagem da minha amiga que está no Brasil e outra inesperada de um antigo colega.
Surpresa número 4: Três amigas do coração e também giras que se fartam apareceram na minha casa, inesperadamente, com muitos risos e abracinhos e uma prenda linda de sonho.

A todos um muito obrigada e muitos, muitos beijinhos.
E obrigada à mãe pelo bolo de anos mais lindo mundo, uma borboleta linda de sonho feita de amêndoa e doce de ovos.

quarta-feira, 8 de março de 2006

Parabéns a você, neste caso, a mim

Pois que hoje faço anos. Demorou 12 meses, mas os aniversários têm esta mania de aparecer uma vez por ano...e ainda bem, imagine-se se aparecessem, sei lá, duas ou três vezes!Já seria avó.Adiante.
Num dia que foi tão triste para as senhoras que morreram queimadas dentro duma fábrica enquanto lutavam por direitos iguais aos homens, no séc XIX (se não sabiam porque é que hoje é dia da mulher, ficam a saber), nascia eu, linda e maravilhosa, de cabelinho encaracolado e uma cútis perfeita. A minha mãe, do alto dos seus 22 aninhos estava muito contente e o resto da família também.
Ora portanto, tenho 26 anos, (já) não tenho namorado, ainda não ganho dinheiro e vivo com a minha mãe e irmão...isto não está nada fácil. Por outro lado, tenho um trabalho que gosto e na minha área, tenho os melhores amigos do mundo (apesar de não me fazerem surpresas no aniversário) e uma casa bonita, com uma mãe e um irmão espantosos. Ah, também tenho colegas muito queridos (escrevo eu com uma faca apontada à garganta) que me tratam muito bem.

terça-feira, 7 de março de 2006

«O meu primeiro meme», seja lá o que isso for

Isto é para ler porque é um jogo, ok?
Mr André mandou e eu obedeci. Parece que isto se chama meme.
«Cada bloguista participante tem de enunciar cinco manias suas, hábitos muito pessoais que os diferenciem do comum dos mortais. E além de dar ao público conhecimento dessas particularidades, tem de escolher cinco outros bloguistas para entrarem, igualmente, no jogo, não se esquecendo de deixar nos respectivos blogs aviso do ‘recrutamento’. Ademais, cada participante deve reproduzir este ‘regulamento’ no seu blog.»
Como qualquer comum dos mortais tenho algumas manias. Acho que nem me dou conta de algumas, mas vou fazer um esforço por me lembrar, até porque uma introspecção por dia, dá saúde e alegria.

1- Ora pois que tenho a mania de cheirar a comida antes de provar. Gosto do cheiro da dita a encher-me o nariz e até consigo, às vezes, perceber se está salgada ou não. Consegue ser um hábito muito irritante para algumas pessoas, pelo que me habituei a fazê-lo sem dar nas vistas.

2- Tenho a mania de ter mil lenços de papel em tudo o que é bolso, pijama incluído. Na realidade não é só nos bolsos, as malas costumam ter aos 3 e aos 4 e as mesas lá de casa também.

3- Tenho um hábito um bocado esquisito que me faz pensar que talvez seja um bocado maluquinha: se começo a fazer um fio com contas coloridas, sem qualquer lógica, quando dou por mim, já estão todas a obedecer a uma lógica de disposição de cores, que se repetem de X em X conjuntos. Isto acontece-me com quase tudo: as coisas têm de estar dispostas de forma lógica e faço-o quase sem dar por isso.

4- Tenho a mania de estalar os dedos. Ok não é uma mania interessante, mas é o que há.

5- Quando ponho o cigarro na boca, ponho-o de lado, não de frente nos lábios.

E agora passar isto a cinco blogs:

1- Às meninas do Coisas que tal, umas queridas amorosas.
2- À AMS das histórias de rir e chorar
3- À polaca de cabeça grande aka chefa zen
4- Ao Cláauudiuuu do Ventoinha, que tem
tanta gracinha a escrever
5- E finalmente para o Tó Zé, que põe o samouco ao rubro com as suas piadas com montes de piada

segunda-feira, 6 de março de 2006

Vomitar é horrível e eu detesto

Sou uma pessoa que gosta de comer. Sou, pronto. Gosto de comidinha bem temperada e com muito sabor. Gosto de doces, muitos doces e de bolos, todos os bolos (menos o caracol e o bolo rei).
Mas às vezes acontece que fico entupida de comida e o meu estômago pára de funcionar. Incha como se não houvesse amanhã e dói. Depois tenho arrepios de frio e de calor ao mesmo tempo e coisa não se resolve enquanto não ponho os dedos à boca. É nojento, mas é um facto. Não se preocupem, meus amigos, que não sou bulímica, não faço isto todos os dias, nem sequer todas as semanas. Mas é que o meu corpo dá-lhe para rejeitar coisas, às vezes. Ontem foi uma dessas noites.
Mas adiante. Pois que tendo esta experiência tão desagradável que nem consigo descrever, mas uma coisa garanto - vomitar é do piorzinho que há na vida - fico estupefacta com a bulimia. É que eu, de facto, não percebo como é que é possível alguém fazer aquilo constantemente e ainda andar em pé. Eu fico desgraçada, mole, com sono, fraquinha e com dores no pescoço. A parte de emagracer, eu percebo, se bem que na maior parte das vezes as pessoas em questão já são feias de magras, mas agora vomitar?? É que além de ser nojento e doloroso, é anti-natura: a comida é suposto descer, não subir, e uma vez que não somos ruminantes, é uma coisa que não dá muito jeito.

Três coisas que gostava de fazer (mas não tenho a certeza se algum vai acontecer)

Ser DJ por uma noite numa discoteca super gira;
Dar aulas de jornalismo na faculdade;
Ir a um baile de máscaras à séria e enrolar-me com um gajo mascarado que nunca vou saber quem foi e vice-versa;

quinta-feira, 2 de março de 2006

Desculpem, mas estamos sem sistema informático

Eu nem sei como é que o país ainda não fechou para um upgrade ou mesmo para obras, sei lá.
Eu pensava que era só a PT que de vez em quando ficava sem sistema, mas afinal enganei-me. A TV cabo também é perita nisso, e, imaginem, a La Redoute padece do mesmo mal. É que nem para encomendar umas roupitas para a nova estação, uma pessoa consegue à primeira tentativa.
Tenho a sensação de que a frase «Ah, pois... mas é que estamos sem sistema informático...não se importa de ligar daqui a um bocado?» é a mais proferida de Portugal.

quarta-feira, 1 de março de 2006

Viva a Primavera

E eis que chega Março, o mês de todas as esperanças, o mês que traz a Primavera, manda embora o frio e a melancolia, afasta o céu cinzento e o vento frio, expulsa arrepios, vidros brancos de gelo, camisolas de lã, cobertores e mãos geladas. Traz o céu azul, o cheiro a calor a prometer o Verão, flores assassinas mas bonitas, nuvens brancas inofensivas, pássaros, borboletas, roupa mais fresca, sorrisos e mais sorrisos, doses de esplanadas e a promessa de um Verão anunciado, de férias, praia e esperanças renovadas.